SUBSÍDIO EBD LIÇÃO Nº 8 – EDUCAÇÃO CRISTÃ, RESPONSABILIDADE DOS PAIS

8

 

PORTAL ESCOLA DOMINICAL
2º Trimestre de 2013 – CPAD
A Família Cristã no Século XXI: protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Comentários da revista da CPAD: Elinaldo Renovato de Lima
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
LIÇÃO Nº 8 – EDUCAÇÃO CRISTÃ, RESPONSABILIDADE DOS PAIS
Deus cometeu aos pais a responsabilidade pelo ensino da sã doutrina aos filhos.
INTRODUÇÃO
– No modelo bíblico da família, cabe aos pais a educação dos filhos, em especial a educação doutrinária.
– A falta de ensino da sã doutrina nos lares tem sido poderoso fator para a lamentável situação em que
se encontram os filhos dos servos do Senhor em nossa sociedade.
I – DEVEMOS TER E EDUCAR FILHOS
– Um dos objetivos principais da instituição familiar, instituição esta criada por Deus, é a da
reprodução. A primeira palavra de Deus dirigida ao homem registrada na Bíblia Sagrada continha,
precisamente, este objetivo: ” Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra…” (Gn.1:28). A capacidade de
reprodução do homem era o grande diferencial entre esta criatura e os seres celestiais. Natural que, então, seja
um dos principais alvos do nosso adversário.
OBS: “…A procriação foi a mais importante dádiva do Criador para a natureza. Todos os seres vivos formados da matéria receberam este favor.
É importante maravilhoso sabermos que Deus concedeu ao homem, o poder de procriar um ser que traz consigo a imagem e a semelhança Sua. A
procriação é o dom de Deus à natureza, para que ela exista e permaneça existindo. Este dom foi dado a todos os seres materiais vivos, mas apenas o
homem tem poder de transmitir à sua prole a imagem e semelhança do Criador. Os anjos e todos os seres espirituais não têm este dom de procriar.
No caso dos humanos, os filhos trazem consigo a imagem e semelhança do Criador, mesmo sendo eles pecadores. Esta é uma das razões pelas
quais Satanás tenta destruir o homem, pois no homem a imagem de Deus é perpetuada na Terra.…” (SILVA, Osmar José da. Reflexões filosóficas
de eternidade a eternidade, v.2, p.138)
– Na possibilidade de procriação, Deus nos dá mais um aspecto de nossa qualidade de imagem e semelhança
de Deus, pois, com a reprodução, temos uma participação na própria obra criativa do Senhor, pois, no instante
em que geramos filhos, trazemos nossa marca no processo de criação do universo. Deus, pela Sua infinita
misericórdia, faz-nos participantes de Sua obra de criação.
– Não é por outro motivo que a Bíblia nos diz que os filhos são herança do Senhor e o fruto do ventre, o Seu
galardão (Sl.127:3). Ao nos tornarmos pais, recebemos um prêmio, uma recompensa do Senhor, pois
passamos a ser participantes da criação, ou seja, apesar de nossas faltas, de nossas fraquezas, Deus nos dá o
privilégio de podermos ser atores no processo da criação.
– Os filhos, portanto, são uma bênção que Deus nos dá. Como consequência disto, devemos desejar ser pais
e, muito mais do que ser pais, ser bons pais, pois ser pai não se limita a gerar um novo ser humano, mas inclui
todo um processo de educação e de cuidado que possa tornar este novo ser biológico não apenas mais um ser
vivo na face da Terra, mas um novo servo do Senhor, que seja motivo para glória do Senhor.
OBS: “…No testamento ‘ético’ dirigido ao próprio filho, Rabi Eleazar, o ‘ Grande” de Worms (c.1050) resumiu o objetivo principal dos pais
judeus: ‘ Meu filho ! É teu dever ter filhos e criá-los para o estudo da Torah. Por eles serás considerado digno da vida eterna.’ Esse relacionamento
entre a educação de filhos dignos, o estudo da Torah (no entender dos devotos, essa era a estrada principal para a virtude), e a recompensa final da
vida eterna, formaram uma venerada tradição da religião judaica.…” (AUSUBEL, Nathan. Relações familiares, esquemas tradicionais de. In: A
Judaica, v.6, p.708)2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 2
– Se os filhos são uma bênção do Senhor, devemos desejar ter filhos. Caso tenhamos uma vocação para
uma vida conjugal (que é o natural e normal entre os seres humanos, embora possa haver aqueles que Deus
tenha chamado para uma vida celibatária, ou seja, para que não forme família), devemos ter o profundo desejo
de cumprir todos os propósitos divinos para a família, o que inclui a procriação. Isto não quer, em absoluto,
reduzir o objetivo da vida conjugal a ter filhos, pois este é um dos muitos fins divinos para o casamento, mas
reconhecer que a vinda de filhos é o coroamento desta vida a dois.
– Desejar ter filhos, também, não significa deixar de planejar a vinda dos filhos. O planejamento familiar,
mormente nos dias difíceis em que vivemos, é uma necessidade na vida de qualquer casal. Devemos, como
servos de Deus, buscar a orientação do Senhor e, dentro da Sua vontade, bem planejarmos a vinda dos nossos
filhos, a fim de que possamos dar-lhe uma vida digna e com condições de criá-los na doutrina e admoestação
do Senhor.
– Os filhos devem ser, portanto, em primeiro lugar, desejados. Este desejo sincero e puro, concorde com o
plano de Deus para o homem, é o primeiro e indispensável passo para que os filhos sejam sempre uma bênção.
Muitos estudos têm demonstrado que a rejeição do filho é um fator que tem causado enormes perturbações
psicossomáticas em muitas pessoas, desde o ventre de suas mães. Um filho rejeitado, mesmo durante a
gravidez de sua mãe, será, certamente, um filho desajustado e que trará enormes problemas para os pais ao
longo da vida.
– Uma das características dos povos antigos, inclusive o judeu era, exatamente, o de haver um desejo ardente
dos casais em terem um filho, pois o fato de haver uma determinação divina para a procriação levava os
hebreus a uma verdadeira obsessão pela procriação, a ponto de a mulher estéril ser considerada uma
amaldiçoada. A Bíblia registra esta circunstância e o desespero de Raquel bem ilustra a situação a que era
remetida uma mulher que não tinha condições de gerar (Gn.30:1). Embora não seja elogiável esta
discriminação social, o fato é que ela reflete a grande consideração que se dava, naquela época, à procriação.
OBS: “…A missão universal dos judeus, como instrumento da vontade de Deus, no sentido de conduzir todas as nações irmanadas ao Monte
Sion através da Torah, exigia a preservação da continuidade biológica deles. Além do mais, ela exigia dos pais judeus, geração após geração, que
preparassem seus filhos para tão elevada incumbência. Para aumentar a força moral desse dever supremo, os Sábios ensinaram ao povo que na
‘criação’ de cada criança, havia três sócios: seu pai, a sua mãe e Deus. De fato, Deus era considerado o sócio principal, embora ‘silencioso’, na
criação de todas as crianças, tendo os pais como seus associados ativos. No entanto, eram eles, e não Deus, inteiramente responsáveis pelo produto
‘final’ – um produto que desejavam fosse digno do Criador a cuja divina imagem se acreditava que houvesse sido feito.…” (AUSUBEL, Nathan.
Relações familiares, esquemas tradicionais de. In: A Judaica, v.6, p.708).
– Atualmente, porém, tem sido considerado que ter filhos é um estorvo, é um obstáculo ao progresso material e
à inserção da mulher no mercado de trabalho, sendo cada vez mais frequente que as mulheres busquem ter
filhos somente quando já estabilizadas financeiramente ou, então, o que é mais corriqueiro nas camadas mais
carentes da população, os filhos têm sido considerados apenas como uma fonte de sobrevivência para quem
não consegue (ou não quer) trabalhar, pensamento que tem gerado a conhecida “indústria da pensão
alimentícia” ou, mais recentemente, a indução pela procriação por causa dos programas sociais
governamentais (“Bolsa Família”). Ambas as concepções são ditadas por um materialismo excessivo e estão
completamente alheias ao princípio bíblico da procriação.
– O desejo de filhos, nas páginas da Bíblia, era tanto que mesmo intervenções divinas para mulheres estéreis
eram solicitadas e, numa comprovação de que o desejo de filhos é algo que se encontra dentro da vontade do
Senhor, Deus ouviu estas orações e abriu a madre de muitas mulheres, como Sara, Rebeca, Raquel e Ana.
– Não basta que os filhos sejam desejados. Eles precisam ser bem cuidados, pois, além de ser uma bênção
do Senhor (e toda bênção do Senhor deve ser preservada e zelosamente tratada pelo abençoado), são uma
responsabilidade que Deus põe em nossas mãos e da qual deveremos prestar contas.
– O cuidado com os filhos deve anteceder à própria concepção. O planejamento familiar não envolve
apenas a quantidade de filhos, mas também a qualidade de sua educação. Devemos estar preparados para, na
vontade de Deus, criarmos nossos filhos na doutrina e admoestação do Senhor (Ef.6:4). Devemos ter o mesmo 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 3
sentimento de Manoá, o pai de Sansão, que orou ao Senhor pedindo orientação divina para a educação de seu
filho (Jz.13:8), antes mesmo de seu nascimento. É mister que tenhamos a orientação do Senhor para a
educação dos nossos filhos, assim como busquemos todas as informações que a ciência e o conhecimento
humano possam nos fornecer para que demos uma vida de qualidade para nossos filhos. Qualidade não
significa opulência material, mas é muito mais do que isto: é uma educação com amor, com valores bíblicos,
uma educação que faça de nossos filhos verdadeiros servos do Senhor.
– Outra importante lição que extraímos da Palavra de Deus sobre os filhos é de que, ao nascerem, serão
eles inocentes e, por conseguinte, pessoas sem qualquer pecado ou culpa. Jesus ensinou que as crianças são
isentas de pecado, pois das tais é o reino dos céus (Mt.18:1-5; Lc.18:15-17). Assim, embora sejam dotadas de
uma natureza pecaminosa, de modo que, assim que adquirirem a consciência, inevitavelmente irão pecar, as
crianças vêm ao mundo sem pecado, de modo que a educação é um poderoso instrumento de evangelização e
de criação de valores conformes à vontade de Deus. Assim, é dever indeclinável dos pais instruir a criança
no caminho em que deve andar, pois, como afirmou o sábio Salomão, mesmo na velhice ela não se
esquecerá do que lhe foi ensinado (Pv.22:6).
– Deus faz os nossos filhos inocentes e puros, ou seja, na Sua parte, prepara-nos para que possamos
fazer com que estes filhos possam crescer e amadurecer dentro de uma educação que prime pelos
valores divinos. Há até mesmo uma consideração de que os filhos dos crentes são considerados santos, ainda
que um dos cônjuges não sirva a Deus (I Co.7:14). Diante deste quadro, percebemos que Deus, quando
geramos filhos ou quando, já tendo família formada, aceitamos a Cristo, dá-nos condições favoráveis para que
levemos a cabo nossa responsabilidade de educar. Estamos, sim, num mundo mal e que jaz no maligno, mas o
Senhor garante, em Sua Palavra, que o ambiente por Ele criado para que iniciemos nosso trabalho nos é
favorável. Assim, se perseverarmos em nosso trabalho educacional, se não descuidarmos, Ele, que sempre
promete estar conosco, trar-nos-á, certamente, a vitória e o gozo de vermos não só nossos filhos, mas os filhos
de nossos filhos e a paz sobre Israel, ou seja, a bênção de Deus sobre a nossa família (Sl.128:6).
– Diz o salmista que os filhos da mocidade são flechas na mão do valente (Sl.16:4). A flecha é uma das
armas cuja utilização exige grande destreza (tanto que o arco e flecha acabou se tornando um esporte
olímpico). Ao comparar os filhos como flechas, o salmista mostra-nos a necessidade de termos muita
sabedoria na educação de nossos filhos, pois, assim como eles podem representar a nossa alegria, o
cumprimento de nossos objetivos e fins para eles (como a flecha atinge o alvo, tornando o esportista um
vencedor), do mesmo modo, esta mesma flecha poderá ser fatal e acabar tirando-nos até mesmo a vida ou a
alegria de viver, ferindo mortalmente o nosso coração. Há alguns anos, a mídia noticiou a tragédia familiar de
um filho drogado, que acabou sendo morto por seu pai, pai este que, alguns dias depois, acabou morrendo de
desgosto pelo infortúnio. Cenas assim têm se repetido cada vez mais nos nossos dias e, pasmem todos,
inclusive com pessoas da igreja. Por quê? Porque não temos sido cuidadosos nem sábios para criar os filhos,
estas flechas que Deus nos dá.
II – AS REGRAS BÍBLICAS DO RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHOS – A NECESSIDADE DA
EDUCAÇÃO CRISTÃ NO LAR
– Vista a importância que devemos dar ao relacionamento entre pais e filhos, vejamos agora, então, quais são
as regras bíblicas estabelecidas para esta relação. A Bíblia preocupa-se muito com este relacionamento, que é
fundamental para que se cumpra o objetivo divino da procriação, além do que é um relacionamento que figura
a própria relação entre Deus e o homem.
– A primeira regra sobre o relacionamento entre pais e filhos diz respeito à honra que os filhos devem
devotar a seus pais. Um dos dez mandamentos, o único mandamento com promessa, afirma que os filhos
devem honrar pai e mãe para que os seus dias fossem prolongados na terra (Ex.20:12; Dt.5:16; Ef.6:2,3). Os
filhos devem, portanto, respeitar seus pais, ser-lhes obedientes e dar-lhes a devida dignidade. A honra envolve
o reconhecimento dos filhos de que seus pais são um dos fatores primordiais da sua existência e não se resume
apenas na obediência, que é um fator importante, mas não exclusivo. Honrar pai e mãe envolve, também, zelar 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 4
pela imagem social dos genitores, evitando que os pais sejam alvo de calúnias, injúrias e difamações na
sociedade onde vivemos.
– Lamentavelmente, vemos que, nos nossos dias, há um grande incentivo para que os filhos critiquem e
denigram a imagem de seus pais na sociedade. Aliás, dentro da filosofia mundana hoje reinante, é imperioso
que o jovem ou o adolescente xinguem, difamem e desprezem seus pais perante os seus amigos e
companheiros de grupo. Isto tudo contraria o que ensina a Palavra do Senhor.
– A obediência aos pais é condicionada. Como bem explana o apóstolo Paulo, a obediência aos pais
somente tem sentido enquanto estiver em consonância com a obediência ao Senhor (Ef.6:1). É a isto que a
Bíblia denomina de obediência justa. Devemos obedecer a Deus, em primeiro lugar, depois aos homens
(At.5:29). Assim sendo, os filhos não devem obedecer a seus pais quando esta obediência significar pecado,
ofensa a Deus. Dizemos isto, pois, há alguns anos atrás, tivemos a surpresa em saber que um crente chegou a
se queixar dos professores da Escola Dominical de seu filho, porque, ao mandar seu filho mentir para um
cobrador que lhe batia a porta, dizendo que não estava, o filho falou a verdade, “desobedecendo” ao Pai. A que
ponto chegamos!
OBS: “…Há uma diferença entre obedecer e honrar. Obedecer significa agir de acordo com as instruções recebidas. Honrar significa respeitar e
amar. Os filhos não devem desobedecer a Deus aos obedecerem aos seus pais. Não se requer que os filhos adultos obedeçam a pais tiranos. Os
filhos são obrigados a obedecer enquanto estiverem sob os cuidados dos pais, mas a responsabilidade de honrá-los é vitalícia.” (BÍBLIA DE
ESTUDO APLICAÇÃO PESSOAL, com. Ef.6.1,2, p.1654).
– Dar a devida honra aos pais significa, também, amparar-lhes na dificuldade e, primordialmente, quando
em idade avançada. Este princípio, aliás, além de ser bíblico, é até, no Brasil, um dever constitucional, como
se observa no artigo 229 da Constituição da República, que afirma que “… os filhos maiores têm o dever de
ajudar os pais na velhice, carência ou enfermidade”. É triste vermos que, hoje em dia, muitas pessoas que se
dizem servas de Deus abandonam seus pais idosos à própria mercê, delas não cuidando, nem com elas se
importando, numa atitude de ingratidão que põe em dúvida a sua suposta conversão ao Senhor.
OBS: O Corão, livro sagrado dos islâmicos, em diversas passagens, afirma este dever dos filhos para com os pais. Assim, por exemplo: “…Dize
(ainda mais): Vinde, para que eu vos prescreva o que vosso Senhor vos vedou: Não Lhe atribuais parceiros; tratai com benevolência vossos pais;
não sejais filicidas, por temor à miséria- Nós vos sustentaremos, tão bem quanto aos vossos filhos…” (6:151). Os judeus, também, tinham este
pensamento: “…Quando atingiam a maturidade, os filhos e as filhas tinham a obrigação de sustentar os pais, da melhor maneira que pudessem,
quando isto tornasse necessário. Deveriam tomar conta deles com devoção na doença e na velhice. ‘Meu filho,’ escreveu Jesus Ben-Sira, o grande
mestre de sabedoria de Jerusalém (c. do início do século II a.E.C.), ‘ajuda a teu pai na velhice, e não o aborreças enquanto ele for vivo, e tem
paciência com ele se a mente dele fraquejar. No entanto, nem todos os filhos e filhas judeus comportavam-se como modelos de devoção a seus pais
nas horas das adversidades. Esses réprobos aparecem ilustrados no dito popular judaico, cheio de amargura:’ um pai pode sustentar dez filhos, e no
entanto dez filhos não podem sustentar um pai.’…” (AUSUBEL, Nathan. Relações familiares, esquemas tradicionais de. In: JUDAICA, v.6, p.712).
– A segunda regra constante da Bíblia Sagrada com respeito à relação entre pais e filhos é de que os pais
devem ensinar a Palavra do Senhor a seus filhos (Dt.6:6-9). Moisés é bem incisivo ao afirmar que os pais
deveriam intimar a Palavra do Senhor a seus filhos. Intimar é mais do que ensinar, é mais do que orientar.
Intimar é determinar, é falar com autoridade a doutrina. Tanto assim é que, hoje em dia, usamos a expressão
“intimar” sempre que uma autoridade chama alguém para que compareça em algum lugar. É um chamado de
quem tem autoridade. Dentro desta perspectiva, vemos que os pais somente se incumbirão deste dever se
forem verdadeiros imitadores de Jesus. O Senhor, ao proferir o sermão do monte, fê-lo com autoridade
(Mt.7:29). Assim, os pais, ao ministrarem a Palavra do Senhor, devem não apenas demonstrar conhecimento
racional, mas, sobretudo, devem, com sua vida, mostrar aos filhos um verdadeiro testemunho cristão. A
multidão ficou admirada com Jesus não pelo que Ele dissera, pois muito do que disse já tinha sido dito pelos
escribas e pelos fariseus. Entretanto, os escribas e fariseus ensinavam uma coisa mas viviam outra totalmente
diversa. Como será que nossos filhos têm nos visto? Como escribas ou fariseus ou como Jesus?
OBS: ” …Se a felicidade da família judaica girava em torno de uma relação harmoniosa entre marido e mulher, o objetivo principal era o de
educar filhos retos e devotos(…). Esse relacionamento entre a educação de filhos dignos, o estudo da Torah (no entender dos devotos, essa era a
estrada principal para a virtude) e a recompensa final da vida eterna, formaram uma venerada tradição da religião judaica.(…). Constitui um fato
singular o de que em nenhuma outra religião se considera obrigação categórica dos pais assumir a responsabilidade primeira, como educadores, dos
próprios filhos. Entre os judeus, em tempos antigos, essa tarefa era considerada uma missão precípua e sagrada. ‘Abençoado é o filho que estudou
Torah com o pai, e abençoado o pai que instruiu o filho !’, regozijava-se um antigo Sábio…” (AUSUBEL, Nathan. Relações familiares, esquemas
tradicionais de. In: JUDAICA,v.6, p.708-9).2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 5
– Está aqui um dos maiores problemas que temos enfrentado nas famílias de crentes nos nossos dias. Os pais
não têm um bom testemunho. Assim, não se sentem à vontade para ensinarem seus filhos a Palavra do Senhor
ou, quando o fazem, criam um ambiente de total falta de autoridade, já que não podem ensinar com
autoridade. Como dizer aos filhos que se deve orar e ler a Bíblia diariamente, se os pais não o fazem? Como
ensinar seus filhos que devem ir à igreja assiduamente, se não o fazem? Como querer que os filhos tenham
intimidade com o Senhor, se não lhes ensinam as passagens bíblicas? Instruir o menino no caminho em que
deve andar, eis o que manda dizer a Bíblia Sagrada.
– Devemos dedicar parte de nosso dia à devoção individual, mas também devemos dedicar parte de nosso dia
para a devoção familiar. Como poderemos ser responsáveis diante de Deus com os nossos filhos, se não nos
preocupamos em seu crescimento espiritual? Há muitos crentes que, numa forma absurda, defendem que os
filhos devem, primeiro, atingir a maturidade para que decidam se servirão a Deus, ou não. Este pensamento é
um conceito antibíblico e que não pode ser compartilhado por um verdadeiro crente. O crente ama o próximo
como a si mesmo e como poderá deixar ao léu o seu próprio filho? Como considerar como possível que um
filho seu, que nasceu num lar de um crente, possa ser mantido à margem da Palavra de Deus, à margem de um
contacto mais íntimo com o Senhor? Evidentemente trata-se de uma astuta mentira satânica, a que muitos
crentes têm dado crédito.
– Se quisermos ser valorosos instrumentos na mão do Senhor, temos de começar em nossas próprias
famílias, junto a nossos filhos. Não é por acaso que Deus inicia o ministério de muitos escolhidos Seus, na
Bíblia Sagrada, com determinação para que este ou aquele nome fosse dado a um filho do vaso escolhido. O
gesto de dar nome a um filho é a primeira relação que se estabelece entre pai e filho e é neste primeiro ato da
relação entre pai e filho que começa o ministério do homem de Deus (cfr. Gn.5:21; Is.8:3,4; Os.1:4-11). Em o
Novo Testamento, um dos requisitos para que sejam escolhidos ministros na casa de Deus é o seu
comportamento junto aos filhos (I Tm.3:4,5), pois, como diz o texto sagrado, como alguém que não cuida bem
de seus filhos, poderá cuidar bem da igreja de Deus?
– Mas, para que haja a instrução na Palavra do Senhor, é mister que se tenha comunicação entre pais e
filhos. Um dos grandes problemas que temos, nos nossos dias, é a falta de diálogo entre pais e filhos. Pais não
se comunicam com os filhos, não há sequer uma conversa um pouco mais longa entre pais e filhos durante
vários dias na semana. O corre-corre do cotidiano agitado de nossas cidades, não raras vezes, faz com que pais
e filhos não estejam em casa na maior parte dos dias e até não se vejam durante dias.
– Entretanto, este estado de coisas deve ser driblado pelos pais, pois a falta de comunicação entre pais e filhos
é uma brecha que impedirá que se erga um muro contra o pecado e o mal em volta de nossos filhos. Devemos
cuidar para que, pelo menos durante um período, a família possa conversar diariamente e dialogar, momento
em que, senão diariamente, com uma frequência no mínimo semanal, seja realizado também um culto
doméstico. É preciso que cuidemos da estrutura espiritual de nossos filhos, mas devemos dialogar e ficar
sabendo dos sentimentos, das preocupações, das lutas de cada um. Esta falta de convívio no lar é uma
necessidade indispensável para os filhos e, se em casa eles não conseguirem ter esta atenção e cuidado,
começarão a procurá-lo fora de casa e, sem dúvida, encontrarão quem se disponha a dar-lhes afeto entre os
agentes de Belial (más companhias, narcotraficantes, pessoas prostituídas e prostituidoras etc.).
– Mesmo dentro de casa, temos a possibilidade de vermos ser erodido o pouco tempo que teríamos para
desfrutar de um convívio familiar. Os meios de comunicação têm sido responsáveis diretos pela ausência de
diálogo e comunicação entre pais e filhos. Em vez de conversarem, de ensinarem a Palavra de Deus, muitos
pais preferem dar atenção a programas de televisão ou a navegações na internet, de modo que a orientação
bíblica e afetiva acaba sendo substituída pelas mensagens explícitas ou subliminares das programações destes
meios de comunicação, mensagens estas que, via de regra, divulgam e estimulam condutas totalmente
contrárias à Palavra do Senhor. Este tempo não pode ser desperdiçado. Que os pais possam seguir os
conselhos de Paulo e remir o tempo, porque os dias são maus (se já o eram no tempo de Paulo, que dirá hoje,
em que sentimos que a vinda do Senhor se aproxima) (Ef.5:15,16; Cl.4:5).2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 6
– O culto doméstico deve ser uma reunião simples, com reverência, em que, numa mensagem que possa ser
compreendida por todos, a família louve ao Senhor, ore e compartilhe de suas ansiedades e expectativas,
agradecendo a Deus pela salvação e livramentos e pedindo a intervenção divina para a supressão das
necessidades existentes. Com a participação de todos, ouça uma mensagem do Senhor através de algum de
seus membros e, depois, seja o culto encerrado. Parece algo muito simples, mas sua frequência trará resultados
que só no futuro os pais saberão. Temos a certeza de que o adversário procurará sempre impedir a realização
deste culto, mas, com fé no Senhor e discernimento, poderemos restaurar esta grande arma que temos à nossa
disposição para a boa educação e formação de nossos filhos.
– A terceira regra que vemos no relacionamento dos pais com os filhos é a que os pais não devem
provocar a ira a seus filhos (Ef.6:4). Aqui temos um mandamento que inclui a questão da correção dos filhos
pelos pais, questão importante e que deve ser analisada dentro de seus parâmetros bíblicos.
– Os gentios possuíam regras extremamente duras no que respeita à correção dos pais pelos filhos. Até mesmo
os romanos, que foram o povo que mais avançou na Antiguidade em termos de direito, reconheciam ao pai o
direito de vida e de morte sobre os filhos, ou seja, o pai era o senhor absoluto do filho. A própria palavra
“família” contém a ideia de posse e de propriedade, pois “famulus” era o escravo, o servo. Assim, o filho não
tinha melhor condição, em certo aspecto, do que o próprio escravo. Esta idéia acabou sendo herdada pela
cultura originária de Roma, onde se incluem os povos latinos, como o nosso.
– Entretanto, a Bíblia Sagrada trazia um outro conceito quanto a este assunto. Os pais foram considerados,
como já vimos supra, como pessoas que tinham deveres em relação aos filhos, algo que era impensável no
ambiente gentílico. Assim, embora tivessem autoridade sobre os filhos, os pais são concebidos, na Palavra de
Deus, como alguém que age com autorização divina, a Quem incumbe, com exclusividade, todo o senhorio.
– Em sendo assim, os pais devem atuar com respeito a Deus e debaixo dos princípios divinos. Não podem os
pais decidir sobre a vida e a morte de seus filhos, portanto, nem tampouco atingir-lhes a integridade física,
moral e psíquica. Falamos isto, pois, há uns alguns anos atrás, ficamos constrangidos ao sermos interpelados
por uma assistente social forense que nos pediu esclarecimentos sobre os ensinamentos das Assembleias de
Deus com relação à educação de filhos, pois os últimos três casos graves de maus-tratos naquela cidade
tinham sido praticados por pais que se diziam membros assíduos e participantes de nossa denominação.
OBS: “…O controle e a disciplina das crianças eram cuidadosamente moderados pelos suaves preceitos que os Sábios Rabínicos haviam
ensinado. Eles fornecem um estudo curioso em contraste com os regulamentos legais e os costumes dos pais em voga entre os romanos e seus
contemporâneos. Segundo a lei romana, o pai, enquanto estivesse vivo, continuava sendo o senhor absoluto das ações e dos destinos dos filhos.
Entre os judeus, entretanto, o filho, depois de casado, ficava livre para levar uma vida independente, e, contanto que se conduzisse honestamente e
não fosse culpado de desrespeito filial, não era responsável por seus atos perante o pai. Desde os primeiros anos da Era Rabínica, os pais eram
advertidos para que não fossem desmedidamente rigorosos com os filhos, especialmente ao impor disciplina aos filhos e às filhas mais velhos. Eralhes apontado que o castigo muitas vezes faz com que a criança fique amargurada e ressentida, e poderia provocar nela um comportamento
agressivo, prejudicando assim a sua atitude e afetando-a para toda a vida. Ao contrário, os pais eram aconselhados a demonstrar tolerância e a agir
suave e pacientemente com uma criança rebelde ou desobediente, usando com ela da razão ao invés da força (…). Tornou-se uma prática
tradicional e bastante generalizada entre os judeus o corrigir os filhos não violentamente, com a vara, mas suavemente, com amor, e com a
argumentação. Duas máximas do Talmud tornaram-se linhas mestras para os pais: ‘ Não ameaces a uma criança; castiga-a ou perdoa-lhe… Se tens
que bater em teu filho, faze-o com um cordão de sapatos’…” (AUSUBEL, Nathan. Relações familiares, esquemas tradicionais de.In: JUDAICA,
v.6, p.710)
– Não ter o direito de ofender a integridade física, moral e psíquica dos filhos não significa, em absoluto, que o
pai não tenha o direito de corrigir seu filho, direito, aliás, que é, antes de tudo, um dever. A correção do filho é
uma demonstração de amor do pai pelo filho (Hb.12:9). Não corrigir o filho, deixá-lo à própria sorte, como
têm defendido muitos psicólogos e apologistas da libertinagem nos nossos dias, é algo impensável para quem
tem responsabilidade com os filhos que trouxe ao mundo, como também compromisso com Deus. Eis o
motivo por que os servos do Senhor devem ser contrários a iniciativas estapafúrdias como a chamada “lei da
palmada”, que quer retirar dos pais este direito natural e inalienável de correção dos filhos, mais uma indevida
intervenção do Estado na família.
– É preciso corrigir o filho, inclusive com uso moderado da força física, se necessário for, pois, como diz
Salomão, ” não retires a disciplina da criança; porque, fustigando-a com a vara, nem por isso morrerá” 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 7
(Pv.23:13). Observe bem o que diz o texto sagrado: devemos fustigar a criança com a vara, ou seja, podemos
corrigir a criança com uso de força física, mas desde que o façamos com moderação, com equilíbrio. Fustigar
significa bater com alguma coisa flexível, levemente, sem causar traumas, hematomas ou ferimentos. A nossa
lei civil, inclusive, diz que somente perde o poder familiar (ou seja, a autoridade sobre os filhos), o pai (ou
mãe) que castigar imoderadamente o filho (artigo 1638, I do Código Civil), numa prova de que a ideia que tem
sido divulgada (em especial pela mídia) de que não se pode sequer encostar num filho para fins de correção é
uma mentira e mais um movimento em prol da desordem e da destruição da família. O castigo equilibrado é
possível e não constitui em qualquer ilegalidade perante os homens (pelo menos até a aprovação da “lei da
palmada”), bem como diante de Deus.
– Agora, para que um pai possa corrigir, é preciso que, antes, ele tenha ensinado seu filho. O que temos
visto é que muitos pais têm corrigido seus filhos, têm castigado sem que, antes, tivessem ensinado seus filhos.
Os pais devem agir conforme os ensinamentos da Bíblia Sagrada e as próprias Escrituras indicam quais são os
níveis que devem ser seguidos pelos pais, os mesmos níveis com os quais Deus nos ensina a seguir Sua
vontade(cfr. II Tm.3:16). Em primeiro lugar, os pais devem ensinar seus filhos. Ninguém nasce sabendo e
precisamos ensinar nossos filhos o certo e o errado, o que agrada a Deus e o que não Lhe agrada.
– Em segundo lugar, devemos redarguir nossos filhos, ou seja, caso não tenham compreendido o ensinamento
dado, devemos repeti-lo, mormente nos dias em que vivemos em que o bem virou mal e o mal, bem (Is.5:20).
Embora ensinemos nossos filhos a Palavra de Deus, é certo que sofrerão eles a influência dos ambientes que
estão a frequentar, o que os levará a tomar atitudes contrárias aos nossos ensinos. Devemos, então, redarguilos, ou seja, repetir os ensinamentos.
– O terceiro nível é o da correção. Se houver, após a repetição dos ensinos, a repetição da atitude errônea,
chega o momento do castigo, o momento da correção, com a utilização de medida que seja suficiente para a
correção.
OBS: “…é responsabilidade dos pais dar aos filhos criação que os prepare para uma vida do agrado do Senhor. É a família, e não a igreja ou a
Escola Dominical, que tem a principal responsabilidade do ensino bíblico e espiritual dos filhos. A igreja e a Escola Dominical apenas ajudam os
pais no ensino dos filhos.…” (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL. Pais e filhos.p.1839).
– Quando corrigirmos nossos filhos, não podemos, em hipótese alguma, demonstrar revolta, ódio, raiva ou ira.
Se o pai estiver com este sentimento, não deve disciplinar seu filho naquele instante. Deixe para um instante
em que estes sentimentos e emoções deploráveis tenham passado, pois o objetivo da correção não é a vingança
contra o filho, nem criar revolta, ódio ou amargura entre pai e filho. É preciso que tudo seja feito com a
finalidade de ensinar a virtude e o valor para o filho. Verdade é que a correção gera uma tristeza momentânea
no filho (Hb.12:11), mas jamais podemos permitir que esta tristeza se torne em amargura e, muito menos, em
raiz de amargura (Hb.12:15). Tudo deve ser feito debaixo da orientação divina e com temperança, ou seja,
domínio próprio, que é uma das qualidades do fruto do Espírito Santo (Gl.5:22).
OBS: ” …Na criação dos filhos, os pais não devem ter favoritismo; devem ajudar, como também corrigir e castigar somente faltas intencionais, e
dedicar sua vida aos filhos, com amor compassivo, bondade, humildade, mansidão e paciência (Cl.3.12-41,21).…” (BÍBLIA DE ESTUDO
PENTECOSTAL.Pais e filhos.p.1839).
– É este o sentido da expressão bíblica “não provocar a ira aos filhos” que se encontra em Ef.6:4. Devemos
agir de tal maneira que o nosso amor seja sentido pelo filho, ainda que inconscientemente. Um dos grandes
erros da educação dos antigos, movidos ainda pelo traço cultural remanescente da ideia de senhorio absoluto
sobre o filho, era o de desconsiderar totalmente o filho, quase que desumanizá-lo, considerando-o como um
saco de pancadas, como um local de descarga de frustrações. Isto somente gera ódio e revolta e, com tristeza,
vemos que o comportamento de muitos crentes tem sido este, a afastar seus filhos da igreja. Sem dúvida, este
tem sido um dos principais fatores para explicar porque, sendo pouco mais de 20%(vinte por cento) da
população brasileira formada de evangélicos, os filhos de evangélicos representem praticamente 50%
(cinquenta por cento) da população carcerária ou de unidades de adolescentes infratores, uma triste estatística
a demonstrar quanto temos de nos movimentar para cuidar de nossas famílias.
OBS: ” Os pais são responsáveis pela educação dos filhos. Deus tem os pais como responsáveis por educar os filhos – não os avós, nem
escolas, nem o Estado, nem grupos para jovens, nem colegas ou amigos. Embora cada um desses grupos possa influenciar as crianças, o dever final 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 8
continua com os pais, e especialmente com o pai, a quem Deus nomeou como ‘chefe’ para comandar e servir a família. São necessárias duas coisas
para se ensinar: uma atitude correta e uma base sólida. Uma atmosfera permeada de críticas destrutivas, condenação, expectativas irreais, sarcasmo,
intimidação e medo ‘provocarão a ira de uma criança’. Em tal atmosfera, não pode ocorrer um ensinamento profundo. A alternativa positiva seria
uma atmosfera cheia de estímulo, ternura, paciência, escuta, afeição e amor. Em tal atmosfera, os pais podem construir nas vidas dos filhos a
preciosa base do conhecimento de Deus.…” (BÍBLIA DE ESTUDO PLENITUDE. Dinâmica do Reino. Ordem familiar. Ef.6.4, p.1331). Este
mesmo princípio encontra-se reproduzido na Constituição brasileira, no artigo 229, que diz que “Os pais têm o dever de assistir, criar, educar os
filhos menores…”, como também no Código Civil, que coloca como primeiro dever dos pais ” dirigir-lhes a criação e educação” (artigo 1634,
inciso I).
– Outra regra do relacionamento entre pais e filhos é a que determina que os pais criem seus filhos na
doutrina e admoestação do Senhor (Ef.6:4b). Já falamos supra sobre a necessidade de os pais ensinarem a
seus filhos os valores e os princípios estabelecidos por Deus nas Escrituras. Mas, além de ensiná-los a Palavra
de Deus (e só pode ensinar quem já aprendeu), é necessário que estejamos sempre prontos a guiar nossa
conduta educativa na Palavra do Senhor.
– Devemos ensinar e corrigir conforme a Bíblia nos ensina. Todas as nossas decisões em relação aos nossos
filhos devem levar em conta, em primeiro lugar, o efeito que terá sobre a vida espiritual de nossos filhos
aquela decisão. Lamentavelmente, muitos têm feito enormes planos e se sacrificado sobremodo para dar a seus
filhos o melhor que puderem em várias áreas de sua vida, mas estão totalmente despreocupados com a vida
espiritual de seus filhos. Sacrificam-se para saciar desejos consumistas de seus filhos, para deixá-los “na
moda”, com os brinquedos de última geração, atualizados com os diversos modismos que surgem a cada
instante, de estudarem nas melhores escolas, de terem os principais modos de lazer, mas não se preocupam
com a vida espiritual de seus filhos. Não buscam o reino de Deus e a sua justiça para seus filhos, em primeiro
lugar (Mt.6:33), e o resultado é um grande fracasso espiritual que atrairá outros fracassos nos outros campos
da vida. É preciso que ponhamos Deus em primeiro lugar nas vidas de nossos filhos, para que eles possam
optar por mantê-l’O nesta posição quando alcançarem a maturidade.
OBS: ” É obrigação solene dos pais (gr. pateres) dar aos filhos a instrução e a disciplina condizente com a formação cristã. Os pais devem ser
exemplos de vida e conduta cristãs, e se importar mais com a salvação dos filhos do que com seu emprego, profissão, trabalho na igreja ou posição
social (cf. Sl.127.3).…” (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL. Pais e filhos. P.1839)
“…A importância primordial que o judaísmo rabínico deu à missão de educar filhos e filhas no caminho da virtude era exemplificada na
seguinte parábola talmúdica. Quando os israelitas estavam reunidos no Monte Sinai para receber a Torah das mãos de Moisés, Deus exigiu deles: ‘
Primeiro deveis oferecer-me uma garantia de que observareis os mandamentos da Torah’. Os israelitas responderam: ‘ Nossos pais garantirão isto
por nós’. ‘Não!’, protestou Deus, ‘ vossos pais foram pecadores’. ‘Então os Profetas darão garantia por nós’, continuaram os israelitas. ‘Não!’,
disse Deus, ‘eles, também, pecaram contra mim.’ Os israelitas ficaram desanimados. Timidamente sugeriram: ‘ Talvez os nossos filhos pudessem
ser nossa garantia?’ “Vossos filhos!’, exclamou o Criador alegremente, ‘ a eles Eu aceitarei’. E então Ele deu a Torah para os israelitas…”
(AUSUBEL, Nathan. Relações familiares, esquemas tradicionais de. In: A Judaica, v.6, p.708-9)
– Todas estas regras que foram enunciadas, na verdade, podem ser resumidas em uma simples, mas profunda
frase: os pais devem amar seus filhos. Somente amando os filhos, os pais se disporão a cumprir as regras
apresentadas pela Palavra de Deus no relacionamento entre pais e filhos. Aqui não pode, em absoluto, ser
adotada a regra do cientista político Nicolau Maquiavel, segundo a qual, o governante deve preferir ser temido
a ser amado. Na família, o pai, para ser temido, deve, antes de tudo, amar e ser amado.
OBS: “A essência da educação cristã dos filhos consiste nisto: o pai voltar-se para o coração dos filhos, a fim de levar o coração dos filhos ao
coração do Salvador .” (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL. Pais e filhos. p.1839).
– Quando Deus Se apresenta como nosso Pai (Mt.6:9; Gl.4:6), sendo, como o é, amor (I Jo.4:8), está nos
indicando que a relação entre pais e filhos deve ser, sobretudo, um relacionamento de amor. É preciso que os
pais amem seus filhos e que os filhos amem seus pais. Sem amor, não é possível estabelecer-se uma relação de
paternidade sadia e bem sucedida.
– Amar significa estar disposto a se privar do que for mais precioso em favor do filho. Assim como Deus
demonstrou Seu grande amor enviando o que tinha de mais precioso (Jo.3:16), os pais devem estar dispostos a
dar o melhor de si em favor de seus filhos. Esta consideração é importante, pois, depois de Deus, devemos
devotar nossa atenção e amor para a nossa família. Sim, a família tem prioridade na escala de valores de um
servo de Deus, mesmo se ele for ministro ou obreiro. Muitos homens de Deus têm maculado ou até perdido
seus ministérios exatamente por não se conformarem a esta verdade bíblica. Em prol da obra do Senhor,
descuidaram de seus filhos e, hoje, toda sua prole está distanciada dos caminhos do Senhor e o obreiro com 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 9
sua credibilidade e autoridade fortemente abaladas perante a igreja, pois, se não se governa bem a sua casa,
como se governará bem a casa de Deus ? (II Tm.3:5).
OBS: ” Tenham tanto amor e desvelo pelos filhos, que estejam dispostos a consumir suas vidas como sacrifício ao Senhor, para que se
aprofundem na fé e se cumpra nas suas vidas a vontade do Senhor.” (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL. Pais e filhos. p.1840).
– Amar significa cuidar, acompanhar, consolar. Só quem ama é capaz de compartilhar, de cuidar, de
acompanhar. Por ser amor, Jesus prometeu estar conosco todos os dias até a consumação dos séculos. Por ser
amor, Deus é o nosso socorro bem presente na angústia. Muitos pais, atualmente, são egoístas, individualistas,
pensam só em si e, portanto, não estão dispostos a “perder seu tempo” com seus filhos. Deixam-nos ao léu, à
sorte e aos cuidados de quem se compadecer dos pequenos. Não gastam seu tempo para saber o que seus filhos
estão aprendendo, com quem estão andando, o que estão fazendo, como está sendo seu desempenho escolar.
Como consequência disto, seus filhos são adotados pelas mensagens subliminares satanistas, pelos
narcotraficantes, pelas gangues juvenis, pelas redes de prostituição. Nem se pense que estejamos falando de
pais mundanos, mas muitos crentes agem assim também. As lágrimas que vertem no futuro são o resultado
desta falta de amor.
– Amar significa corrigir, como vimos supra. Como Deus nos corrige porque nos ama (Hb.12:6), assim
também devemos corrigir nossos filhos se, realmente, temos amor por eles. Aliás, a psicologia ensina-nos que,
algumas vezes, o filho desobedece exatamente para que seja corrigido e, assim, sinta o amor dos pais.
– Amar significa demonstrar afeto. Deus, mesmo sendo Espírito, sempre procura demonstrar Seu amor para
com o homem através de sensações e de experiências pelas quais o homem entenda o afeto que Deus tem para
conosco. Assim, quando Se apresentou ao profeta Elias, Deus manifestou-Se como uma voz mansa e delicada
(I Rs.19:12), tendo o salmista utilizado a expressão “beijai o Filho” (Sl.2:12), numa clara atitude de
demonstração de afetividade, que deve prevalecer nas relações entre Deus e o homem. Pois bem, se há afeto
numa relação espiritual, que não se dirá de uma relação humana entre pais e filhos? O afeto é uma
característica que deve estar presente nas relações entre pais e filhos. Não devemos ter receio em beijar,
abraçar, dar colo ou ter outras demonstrações de afeto para com nossos filhos. A emoção e o sentimento
devem sempre ser presentes e constantes no ambiente familiar.
– Amar significa buscar sempre o melhor para o filho. Só quem ama se esforça para trazer o melhor para
seu filho. Lembremo-nos de que Jesus considerou que, mesmo sendo maus, os pais jamais iriam buscar o mal
para seus filhos (Mt.7:9,11). Pensemos, pois, se para Jesus assim deve se portar um pai ímpio, o que o Senhor
não estará a esperar de um pai crente?
– A presença de amor no relacionamento com os filhos leva-nos, mais uma vez, à questão do desejo de ter
filhos e das circunstâncias pelas quais se formam estes filhos gerados. É preciso conscientizarmos os jovens e
adolescentes a respeito do que significa ter filhos, das consequências que os filhos trarão para a vida dos pais e
de como nossas vidas devem ser pautados com compromissos e responsabilidades diante de Deus e dos
homens. O Brasil é o país em que se tem a maior média mundial de aumento de gravidezes precoces, segundo
os dados das Nações Unidas. A prostituição e a promiscuidade sexuais têm sido fatores decisivos para que
atinjamos estes índices alarmantes e que trazem prejuízos enormes para toda a sociedade. É uma realidade que
tem avançado, inclusive, em lares de servos do Senhor. Que possamos aproveitar a ocasião desta lição para
mobilizarmos nossas igrejas locais para esta grande ameaça que cerca a igreja e a nossa juventude.
– Amar significa interceder. Devemos interceder diante de Deus por nossos filhos em todos os momentos e
instantes. Devemos ensinar-lhes o valor da oração e da busca incessante da presença do Senhor. Se realmente
amamos os nossos filhos, estaremos sempre por eles suplicando a Deus, a exemplo do que fazia o patriarca Jó
(Jó 1:5).
III – AS CONSEQUÊNCIAS DA FALTA DE EDUCAÇÃO CRISTÃ NOS LARES2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 10
– Tendo visto quais são as regras que norteiam o relacionamento entre pais e filhos segundo a Bíblia Sagrada e
já tendo visto o dever indeclinável e intransferível dos pais educarem seus filhos na Palavra de Deus, vejamos,
ainda que sucintamente, os males decorrentes da falta de educação doutrinária nos lares.
– A principal “ideóloga” do sabatismo, Ellen White, foi muito feliz ao afirmar que “…O método de educação
estabelecido no Éden centralizava-se na família. Adão era o “filho de Deus” (Luc. 3:38), e era de seu Pai que
os filhos do Altíssimo recebiam instrução. Tinham, no mais estrito sentido, uma escola familiar. No plano
divino de educação, adaptado às condições do homem após a queda, Cristo ocupa o lugar de representante do
Pai, como o elo conectivo entre Deus e o homem; Ele é o grande ensinador da humanidade. E Ele ordenou que
os homens e mulheres fossem Seus representantes. A família era a escola, e os pais os professores.…”
(Educação, p.33. Disponível em: http://www.ellenwhitebooks.com/?l=36&p=33 Acesso em 13 mar. 2013).
– Não podemos nos esquecer o que já dito de alguma forma supra, que cabe aos pais a tarefa de educação
dos filhos. Conforme já observado, em Dt.6:6-9, foi aos pais que Moisés, por ordem divina, cometeu a tarefa
de ensinar a lei de Deus para os israelitas. Isto é tão evidente que a leitura da lei a todo o povo, a cada sete
anos, tinha uma função explicitamente secundária, para suprir eventual omissão dos pais (Dt.31:9-13).
– Tal orientação dada pelo Senhor, por intermédio de Moisés, não foi observada pela geração que a ouviu.
Sim, a geração da conquista da Terra Prometida descuidou deste dever. Em Jz.2:7-10, as Escrituras relatamnos que esta geração não ensinou a seus filhos a lei e, por causa disto, quando aquela geração assumiu o
comando de Israel, acabou se envolvendo com os povos vizinhos e com a idolatria, trazendo o início de um
triste período da história do povo israelita, o período dos juízes, em que um círculo vicioso impediu o
desenvolvimento daquela nação.
– Não é diferente nos dias de hoje, visto que se trata de um princípio instituído pelo próprio Deus desde a
criação do homem. Hoje em dia, também, são os pais que têm o dever de ensinar a doutrina aos filhos (Ef.6:4)
e, caso não cumpram com tal dever, que é indeclinável e intransferível, o resultado outro não será senão,
precisamente, o que ocorreu com a geração seguinte à da conquista na Terra Prometida.
– Não é, porventura, o que temos visto em nossos dias? Assim como nos dias seguintes aos de Josué, milhares
e milhares de filhos de servos de Deus não têm sido ensinados na sã doutrina. Os pais não leem a Bíblia, não
oram com seus filhos, que, deste modo, se tornam presas fáceis dos “povos vizinhos”, ou seja, dos incrédulos,
da mentalidade mundana, disseminada pela mídia, que tem sido a “mestra”, a “educadora” de nossos filhos.
– A consequência disto é que os filhos dos servos do Senhor simplesmente não conhecem a Deus, embora
sejam amplos conhecedores do pecado e da perversão que dominam o mundo. A grande e esmagadora maioria
dos filhos dos cristãos, atingida a adolescência e a juventude, assume valores e princípios antibíblicos,
envolvendo-se com o pecado e tendo uma vida completamente alheia à presença do Senhor. Quando muito,
passam a frequentar movimentos que só são nominalmente cristãos, pois, na verdade, não passam de
simulacros de cristianismo, locais onde o mundanismo está travestido de roupagem cristã, mas onde a sã
doutrina não está presente.
– Quantos filhos de servos do Senhor não estão hoje envolvidos com a prostituição, com as drogas e com a
criminalidade? Quantas lágrimas não são vertidas pelos pais porque não souberam educar seus filhos na
doutrina e admoestação do Senhor?
– Muitos pais cristãos equivocam-se ao achar que a sã doutrina tem de ser ensinada nas igrejas, em especial na
Escola Bíblica Dominical. É certo que as igrejas e a Escola Bíblica Dominical devem suprir as deficiências do
ensino doméstico, devem confirmar e fortificar o ensino em casa, mas não o substituem.
– Lembremos que, já na lei de Moisés, a leitura da lei tinha uma tarefa meramente suplementar, secundária.
Não fosse assim, os judeus teriam perdido, ao longo da história, a sua identidade nacional. Com efeito, em
meio a tantas perseguições e sofrimentos, teriam os judeus permanecido como um povo distinto dos demais se 2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 11
dependessem apenas do templo, dos levitas, dos sacerdotes e das sinagogas para ensinar os seus filhos na lei
do Senhor? Evidentemente, já teriam desaparecido ou sido assimilados pelos outros povos, caso não fosse nos
lares, nas famílias que se transmitisse o ensino da lei para eles, lição que eles aprenderam a duras penas,
notadamente após o cativeiro da Babilônia.
– No entanto, a esmagadora maioria dos pais cristãos acha que a tarefa de ensino da Palavra deve ficar restrita
às igrejas locais e às Escolas Bíblicas Dominicais, numa “terceirização” que apenas tem levado à perdição dos
filhos. O ensino da doutrina deve ser diário, permanente, e isto não é possível nas igrejas nem nas Escolas
Dominicais.
– Como querermos que nossos filhos sirvam a Deus aprendendo a doutrina uma hora e meia, no máximo duas
horas por semana nas Escolas Bíblicas Dominicais e, durante todo o restante da semana (talvez retirado mais
uma hora de um culto infantil eventualmente existente na igreja local), sejam insistente e intermitentemente
bombardeados pela “doutrina maligna” disseminada nos meios de comunicação e, lamentavelmente, nos
estabelecimentos de ensino?
– Nossos filhos precisam conhecer a Deus e conhecimento, como sabemos, dentro do sentido hebraico do
termo, é ter intimidade, ter envolvimento com o Senhor (Os.6:3). É fundamental que cada família seja um
“lar”, ou seja, um altar de adoração a Deus, um local onde o Senhor seja invocado e, para tanto, um lugar onde
se ensine a Palavra de Deus, onde se ore, onde se busque a presença do Senhor, onde se busque a manifestação
da glória de Deus.
OBS: Por ser absolutamente bíblica, reproduzimos aqui, mais uma vez, o pensamento de Ellen White, cujos estudos a respeito de educação
devem ser considerados e reconhecidos: “…Todo o saber e desenvolvimento real têm sua fonte no conhecimento de Deus. Para onde quer que nos
volvamos, seja para o mundo físico, intelectual ou espiritual; no que quer que contemplemos, afora a mancha do pecado, revela-se esse
conhecimento. Qualquer que seja o ramo de pesquisa a que procedamos com um sincero propósito de chegar à verdade, somos postos em contato
com a Inteligência invisível e poderosa que opera em tudo e através de tudo. A mente humana é colocada em comunhão com a mente divina, o
finito com o Infinito. O efeito de tal comunhão sobre o corpo, o espírito e a alma está além de toda estimativa. Encontra-se nesta comunhão a mais
elevada educação. É o próprio método de Deus para o desenvolvimento. “Une-te, pois, a Deus” (Jó 22:21), é Sua mensagem à humanidade.…”
(Educação, p.14. Disponível em: http://www.ellenwhitebooks.com/?l=36&p=14 Acesso em 13 mar. 2013).
– A linhagem piedosa de Sete iniciou-se a partir do nascimento do primeiro filho deste, Enos, quando se
começou a invocar o nome do Senhor (Gn.4:26), mas este belo início, que permitiu fazer surgir “filhos de
Deus” entre os homens (Gn.6:2), logo se degenerou e, em pouco tempo, esta linhagem acabou sendo
influenciada e educada pela civilização caimita, o que gerou a corrupção generalizada da humanidade.
– Infelizmente, é o que vemos ocorrer em muitas famílias de sedizentes cristãos. A influência do mundo nos
lares ditos cristãos é imensa em nossos dias, não há meditação nas Escrituras, não há vida de oração, os pais
não ensinam a seus filhos a Palavra de Deus. Este papel é exercido por terceiros, comprometidos com o
mundo e com o pecado, e a consequência disto é a perdição dos filhos.
– Torna-se absolutamente necessário que os pais se tornem os protagonistas da educação de seus filhos.
“Educar” vem do latim “educo”, cuja raiz é “-duc-“, cujo significado é o de “levar, transportar, conduzir”, “ir à
frente”, “pastorear”, “ser pastor”. “Educo”, em latim, significa “nutrir; amamentar, cuidar, educar, instruir,
ensinar”. Vemos, pois, já pela etimologia, que cabe aos pais “estar à frente dos filhos”, proporcionar-lhes a
“nutrição, o cuidado, a instrução, o ensino”.
– Os pais precisam levar os filhos à presença de Deus, transportá-los até a presença do Senhor, nutri-los
com a Palavra de Deus, indispensável alimento para o homem interior (Mt.4:4).
– Os pais também devem cuidar dos filhos, impedindo que os valores e a mentalidade mundanos
venham a contaminá-los. Para tanto, precisam exercer fiscalização e vigilância com respeito aos contatos e
ao aprendizado dos filhos fora do lar, notadamente, nos dias em que vivemos, pelo que vem por intermédio da
mídia e dos estabelecimentos de ensino.2º Trimestre de 2013 – A Família Cristã no Século XXI – protegendo seu lar dos ataques do inimigo
Portal Escola Dominical – http://www.portalebd.org.br
Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico –Banco
do Brasil Ag. 0300-X C/c 35.720-0 Página 12
– É totalmente inconcebível que pais responsáveis pela educação dos filhos permitam que os meios de
comunicação definam os valores e princípios de vida de seus filhos. Torna-se absolutamente necessário um
acompanhamento do que nossos filhos veem e ouvem, a fim de que não haja uma “doutrinação maligna”. É
evidente que não podemos retirar nossos filhos do mundo (nem o Senhor Jesus o quer, como se verifica em
Jo.17:15), mas é fundamental que tenhamos discernimento para mostrar aos nossos filhos o que é o certo e o
que é o errado, quais os valores que estão sendo alardeados pela mídia e que devemos, sobretudo, fazer a
vontade de Deus.
– Com relação aos estabelecimentos de ensino, o trabalho de acompanhamento deve ser intenso. Infelizmente,
o sistema educacional encontra-se construído em bases antibíblicas e anticristãs. Torna-se imperioso que os
pais venham a promover uma verdadeira “operação de retirada do veneno da panela” (II Rs.4:38-41), a fim de
que ensinamentos antibíblicos ministrados nas escolas não venham a se instalar nos corações de nossos filhos.
– A falta de cuidado dos pais neste ponto tem sido o principal responsável para que seus filhos deixem de
servir a Jesus ou nunca venham a servi-l’O apesar de seus pais serem cristãos. A triste realidade das igrejas da
Europa e dos Estados Unidos já está começando a aparecer no Brasil, onde, em muitos lugares, o
envelhecimento da membresia é visível, pois jovens e adolescentes estão completamente alheios ao Senhor.
OBS: Neste ponto, aliás, frise-se a própria miopia da liderança que nada faz de efetivo para a mudança desta situação, que começa com uma
conscientização das famílias. Neste ponto, a Igreja Romana está muito mais ativa, pois, desde o pontificado de João Paulo II, tem investido
fortemente na busca da juventude para uma reversão no quadro de perda de seus fiéis. Nós, entretanto, quando muito, temos adotado o mundanismo
como uma forma de atração da juventude, o que apenas intensifica o processo de alijamento dos jovens da igreja.
– Somente se terá verdadeira educação se os pais demonstrarem amor pelos filhos, pois a base da
educação é o amor. Como afirma Ellen White, em trecho cuja biblicidade recomenda a citação: “…O amor,
base da criação e redenção, é o fundamento da educação verdadeira. Isto se evidencia na lei que Deus deu
como guia da vida. O primeiro e grande mandamento é: “Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e
de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento.” Luc. 10:27. Amá-l’O – o Ser
infinito e onisciente – de toda a força, entendimento e coração, implica o mais alto desenvolvimento de todas
as capacidades. Significa que, no ser todo – corpo, espírito e alma – deve a imagem de Deus ser restaurada.
Semelhante ao primeiro é o segundo mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Mat. 22:39. A
lei do amor pede a consagração do corpo, espírito e alma ao serviço de Deus e de nossos semelhantes. E este
serviço, ao mesmo tempo que faz de nós uma bênção aos outros, traz sobre nós mesmos as maiores bênçãos. A
abnegação é a base de todo o verdadeiro desenvolvimento. Por intermédio do serviço abnegado recebemos a
mais alta cultura de cada faculdade. De maneira cada vez mais plena nos tornamos participantes da natureza
divina. Somos habilitados para o Céu, pois o recebemos em nosso coração. …” (Educação, p.15. Disponível
em: http://www.ellenwhitebooks.com/?l=36&p=16 Acesso em 13 mar. 2013).
– É imperioso, urgente que os pais tornem suas casas em verdadeiras escolas bíblicas, onde se ensine e se
viva a sã doutrina, onde haja um antídoto contra o veneno do mundanismo, do materialismo, do pecado.
Somente assim poderão os pais se desincumbir deste dever que lhes é imposto pelo Senhor, pois, como
“educadores”, verdadeiros “pastores” de nossos filhos, teremos de dar conta de suas almas naquele dia perante
o Reto e Supremo Juiz (Hb.13:17).
Colaboração para o portal Escola Dominical – Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s